Crioula Bicampeão em Punta Del Este

Publicado por Mirela Pinho
Em:

Atracado no Rio Grande Yacht Club (RGYC) depois da suada vitória conquistando o título de bi-campeão no Rolex Circuito Atlântico Sul 2019, Samuel Albrecht (tático), explica, à Comunicação do RGYC, como foram as regatas em Buenos Aires e Punta del Este, as dificuldades, as incertezas e o gostinho da vitória. Acompanhe!

O Crioula não iniciou bem no Rolex Circuito Atlântico Sul 2019, devido ao desempenho na primeira regata Buenos Aires/Punta del Este. Apesar de ser uma regata importante dentro do circuito, por não ser descartável, os velejadores decidiram correr com as velas velhas e na realidade o barco tinha problema de velocidade, o que não permitiu a equipe do Crioula fazer um resultado melhor. Também a condição da regata ( toda em contravento ) não favorecia muito o barco e esta, também, tenha sido uma das razões de irmos com velas velhas”.

Na seqüência do Circuito, o Crioula teve um primeiro dia com dois barla sotas onde a equipe teve um excelente desempenho. “Velejamos em tempo real na frente dos demais barcos e acabamos tirando um primeiro e um segundo lugar” comenta Samuel conhecido entre os velejadores como Samuca.

No terceiro dia de provas foi a vez da regata de percurso. “Fizemos uma largada forte e já na segunda metade da regata na liderança da flotilha e com uma vitória encaminhada quando quebramos a cruzeta e um stay ( cabo que segura o mastro ) ao bater muito forte numa onda e imediatamente tivemos de abandonar a regata”.

Já no dia seguinte, a equipe conseguiu reparar o mastro com uma cruzeta de outro Soto 40 que havia em Buenos Aires e com um cabo que tinham de reserva. “Estávamos muito ressabiados se o reparo suportaria os fortes ventos daquele dia. Porém não houve regatas, o que por um lado era bom pra gente e por outro lado era ruim porque nós precisávamos de no mínimo mais duas regatas para entrar o descarte” explica Samuel.

No sábado, último dia, ainda existia esperança pois a programação prometia exatamente duas regatas. “A primeira regata do dia foi excelente, velejamos firme o tempo todo. Sem saber o resultado desta fomos pra ultima e decisiva regata do dia, com a expectativa de que estávamos na briga pelo campeonato e que mais uma vitória poderia nos dar o título. Mas não largamos bem, mesmo fazendo um excelente trabalho na perna de popa que era bastante longa e foi o que nos botou na briga pela regata novamente”. Ainda de acordo com Samuel, quando perto da chegada, a equipe conseguiu obter mais alguma vantagem aos demais barcos.” Ao cruzar a linha, sentimos que tínhamos dado o nosso melhor naquele dia e que era hora de esperar pelos resultados” explicou.

Crioula bi-campeão

Duas horas depois, os tempos foram calculados e houve a confirmação de que havíamos ganho as duas regatas do dia e isso nos dava o bi campeonato. ” Estamos muito felizes com o resultado, o Crioula está numa excelente fase, onde não perde campeonatos a exatamente um ano, reflexo do amadurecimento da equipe e da dedicação de todos tripulantes que estão conosco. Já são 8 anos de projeto e a sequência nos permite colher os frutos” finaliza o velejador .

Nesse momento o Crioula, após enfrentar seguidas tormentas no percurso, já se encontra nas águas de Jurerê Internacional em Florianópolis para a disputa do Circuito de Santa Catarina que inicia na próxima 5ª feira.

O RGYC orgulha-se com a competência e garra desses velejadores exemplares na Vela Brasileira e segue na permanente torcida.
Parabéns Crioula Team.

Comentários

comentários