Especial Soling

Publicado por Mirela Pinho
Em:

Velejadores do Rio Grande Yacht Club (RGYC) falam de suas experiências na Classe Soling e também da participação na Regata Marinha do Brasil 2018. Foram três barcos “Ideia Fixa”, “Farrapo” e “Calidris” que se somaram aos vinte e dois veleiros de Oceano na regata que fechou o ciclo de competições do ano.

  • Comandante Fabian Saavedra (Castilha):
    O Comandante Castilha “Ideia Fixa” esteve nas águas da Lagoa dos Patos, com o seu soling, pela primeira vez nessa Regata Marinha do Brasil. Isso porque o barco fica no Veleiros do Sul (VDS), Porto Alegre, para participar de campeonatos da classe.

De acordo com Castilha, o Ideia Fixa já participou dos Campeonatos Brasileiro, Sul Brasileiro, Sul Americano e Estadual da Classe que aconteceram no último ano. Ele conta que já participou de aproximadamente vinte Regatas da Marinha na classe Oceano. ” A tradicional Regata Marinha do Brasil marca o final da temporada de competições do ano e é de suma importância para nós velejadores” explica o navegador completando que a competição é de percurso e não é muito extensa. ” O evento vem com uma idéia de fomento a vela.” completa.
Ainda de acordo com Fabian, essa regata é a primeira em que a classe Soling participa, já que esse tipo de barco é voltado a competições exclusivas de monotipos/barlasota.

Ele frisa que a classe conseguiu se adaptar bem com a classe de oceano, velejando no meio da flotilha sem nenhum problema de ser prejudicada e nem prejudicar o andamento do evento. ” Essa edição teve uma ótima participação mesmo nessa época em que os velejadores estão migrando para o Cassino. Também foi muito legal ver os velejadores de Pelotas participando e o nível dos barcos e suas tripulações, bacana.” finalizou Castilha comentando que o RGYC tem surpresas quanto a regatas, para o próximo ano, para a classe.

  • Comandante Ari Soares Lima;
    Para o velejador e instrutor da Escola de Vela João Hugo Altmayer (RGYC), Ari Soares Lima, participar da Regata Marinha do Brasil no Soling foi uma experiência nova. “Já havia velejado no Soling mas nunca participado de uma regata e muito menos no leme (comando). Ainda foi mais desafiador por estar junto com meus dois alunos, que possuem dez meses de experiência na Vela” comenta o entusiasmado Cmte.Ari.

Ari, que velejou no “Farrapo” veleiro Soling cedido ao RGYC pela Flotilha Soling do VDS comenta que foi uma grande experiência, tudo é “novo” e as regulagens novas também. “As manobras exigidas na regata foram uma surpresa para os alunos pois ainda não haviam velejado com balão, nem dado jaibe com balão e tudo isso foi praticado pela primeira vez na regata” completa o instrutor falando da adrenalina de cada manobra. ” Na largada não conseguimos nos posicionar bem mas fomos recuperando posições, inclusive chegamos perto do Castilha que já participa de vários campeonatos da Classe” explica e ainda diz que duas pernas da regata foram de balão e contra vento junto com o Ideia Fixa (Soling) e o Easy Rider (Aruba 28). “Mesmo o Soling não competindo na mesma classe do Easy Rider, eles andaram com velocidade bastante parecida” disse.

Quando questionado pela Comunicação do RGYC sobre a experiência da Regata para ele e seus alunos, Ari frisou que o barco ensina e coloca, cada velejador, na condição de aprendiz.” Esse é o bacana da Vela, toda velejada é diferente, mesmo a experiência minimizando a possibilidade de erros, cada velejada é uma e sempre te surpreende” concluiu.

  • Comandante Henrique Ilha:
    O Comandante Henrique Ilha, que corre regatas de Soling desde 1990, comenta que a Regata Marinha do Brasil foi muito bonita e o dia espetacular. “Larguei muito atrasado pois vim de Florianópolis e tive problemas na montagem do mastro do Calidris, explica o velejador. Ainda de acordo com Henrique, foi divertido navegar no meio da flotilha e ir recuperando as posições.” A entrega de prêmio foi especial, muito bem conduzida e proporcionando o bate papo entre as tripulações e nossos amigos da Marinha do Brasil” comenta.

O velejador procura participar de todas as regatas realizadas pelo RGYC.”Acho que a cada ano as competições melhoram, graças ao esforço da nossa Comodoria e do apoio irrestrito da Marinha.” frisou.
Ainda de acordo com o experiente navegador, que representa o RGYC em diversos campeonatos, na classe laser radial foi quatro vezes campeão estadual nos últimos anos. “Na classe Soling participo de todos os campeonatos brasileiros e sul americanos que posso” explicou.

O velejador Henrique Ilha foi destaque na classe Soling com o 3º lugar no Brasileiro de 2016. Também participou do Mundial em Milwaukee (EUA), 2012, do Mundial de 2014, em Punta de Leste, no Mundial de 2015, Castiglione de la Pescaia na Toscana (Itália) e no Mundial de 2016 em Kingston no Canadá. No Mundial de 2017 em Muiden na Holanda e Mundial de 2018 em Buenos Aires, também. “Em Kingston ficamos em 11º lugar. Agora em Buenos Aires, ficamos em 8º lugar. Esse teve parceria com o Balathon Yatch Clube da Hungria e com dois atletas húngaros na tripulação” destacou.

Para finalizar, Henrique Ilha diz que aguarda ansiosamente a próxima edição do circuito Tecon. “Em 2018 ficamos em segundo lugar geral” conclui.

A próxima regata aguardada pelos amantes do mar acontece de 29/03 a 07/04, é o Circuito Tecon de Vela Oceânica. O trajeto envolve Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande.

Comentários

comentários