HEMBADOO ATRACA NO RGYC

Publicado por Mirela Pinho
Em:

Com o desejo de conhecer novas culturas, pessoas e viver novos desafios  o casal alemão, Klaus e Inge, venderam tudo o que tinham em Cottbus (Alemanha) e compraram o HEMBADOO, um Vagabond, 47 pés, fabricado em 1989.

 

O casal aposentado, ela testadora de materiais para locomotivas e ele eletricista e serralheiro, estão há três anos velejando. Partiram da Itália em 2015, passaram pelo Mar Mediterrâneo, Oceano Atlântico e a primeira parada foi em Salvador (Bahia). Logo após, o casal que também tinha curiosidade em conhecer as terras cariocas  e atracou em Angra dos Reis (Rio de Janeiro).Ficaram encantados com as belezas naturais brasileiras. Klaus e Inge continuaram pela Costa Brasileira, mas o objetivo era chegar ao Chile. Então fizeram duas paradas. Uma em Piriápolis (Uruguai) e outra em Ushuaia (Argentina). Atracaram em  Puerto Williams,  onde se apavoraram com o frio e depois de conhecer um pouco do país resolveram voltar rápido as águas brasileiras.

 

Mas foi a viagem de volta, do Chile ao Brasil, trouxe surpresas a Klaus e Inge. Uma tempestade no caminho fez com que o casal tivesse prejuízos com o mastro da embarcação e complicações com o tanque de combustível.  Chegaram no Rio Grande Yacht Club(RGYC) depois de alguns dias de dificuldade.  Aqui foram acolhidos no dia 27 de março e os problemas da embarcação foram logo encaminhados para a solução. O tanque já está restaurado e o mastro será recuperado em Porto Alegre.

 

O casal está de partida nesta sexta (06), para a capital gaúcha, e depois seguem para Angra dos Reis.  Durante a conversa, eles confidenciaram a Comunicação do RGYC que a única coisa que os deixa triste no Brasil é a permanência para estrangeiros limitada em 3 meses. “Gostamos do Brasil mas existe países em que a nossa estada pode se estender. Sem falar na burocracia brasileira. ” explica Inge.

 

Inge e Klaus estão no caminho de volta e pretendem chegar a Alemanha até a metade do ano. ” Estamos com saudades do nosso casal de filhos, Ivonne  (42) e Marcel(38). Nossos netos Eric, Albert e Clara, também nos aguardam com ansiedade. Mas voltamos ao Brasil em 2019″ completam.

 

 

O RGYC DESEJA BONS VENTOS NESSE RETORNO.

 

Comentários

comentários